Sábado, 22 de Janeiro de 2022
Política ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro é meu principal adversário e volta de Lula seria 'acinte', diz Moro

Moro avaliou ainda que sua candidatura é a que tem mais chances de decolar entre os candidatos da terceira via e que não vai desistir de concorrer.

14/01/2022 às 12h37
Por: Portal DNN Fonte: FOLHAPRESS
Compartilhe:
Pré-candidato à presidência, ex-juiz Sérgio Moro está com a língua afiada. (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)
Pré-candidato à presidência, ex-juiz Sérgio Moro está com a língua afiada. (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) — Pré-candidato à Presidência, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) disse, em entrevista à revista Veja, que eleger o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ou o presidente Jair Bolsonaro (PL) no pleito deste ano é "suicídio" e que o atual mandatário, de quem foi ministro da Justiça, é seu principal adversário no primeiro turno.

Moro avaliou ainda que sua candidatura é a que tem mais chances de decolar entre os candidatos da terceira via e que não vai desistir de concorrer.

"Quero dar às pessoas a alternativa de que não é preciso tratar quem pensa diferente como inimigo. As pessoas sabem que esse governo não tem compromisso com o combate à corrupção e que não funcionou na economia. Elas precisam de uma outra alternativa, inclusive para enfrentar o outro extremo, que é o Lula. Se insistirem na polarização vamos acabar entregando o poder ao Lula", disse Moro.

Para ele, a volta do petista ao poder seria "um acinte" após os escândalos do Mensalão e da Lava Jato, e Bolsonaro "mente" ao dizer que a corrupção acabou, criticando a aproximação dele com o Centrão.

"Bolsonaro não queria combater nada. Queria apenas se blindar, ficar longe do alcance da Justiça. Ele me disse que eu tinha de sair do governo porque não aceitava protegê-lo de investigações. Prefiro ser alvo de críticas injustas e até de mentiras a permanecer como cúmplice de coisa errada."

TERCEIRA VIA

O ex-juiz avalia que sua candidatura é a mais viável da terceira via e disse que não pretende abrir mão dela "em prol de alguém que tem 1%, 2% ou 3%".

"Temos de respeitar todo mundo que quer colocar seu nome à disposição, mas é importante que em algum momento haja uma aglutinação em torno de um projeto e das pessoas que têm condições de realizá-lo. Hoje, vejo minha candidatura com as melhores chances de êxito."

O ex-ministro classificou como "constrangedor" o fato de concorrer ao cargo contra Lula, a quem condenou quando era juiz da Lava Jato. Ele fez duras críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal), que anulou as condenações impostas ao petista.

"As pessoas precisam saber que a lei vale para todos, mas o Supremo, com essas decisões, reacendeu a crença de que não se pode confiar na Justiça para punir poderosos. As pessoas sabem quem está do lado certo dessa história, quem combateu a corrupção, quem cometeu corrupção e quem favoreceu a corrupção", disparou.

Moro disse ainda estar tomando "precauções contra atentados", porque avalia que há risco de violência física no ano eleitoral.

Caso eleito, ele afirma que pretende manter a legislação atual sobre o aborto, que permite a prática apenas em casos de risco à vida da mãe e de estupro, e diz ser contrário ao uso das drogas.

'VAZA JATO'

Moro também foi questionado se não deveria fazer um mea-culpa devido às mensagens trocadas entre ele e o ex-procurador da República Deltan Dallagnol, caso que ficou conhecido como "Vaza Jato". Novamente, ele negou irregularidades.

"As pessoas vêm criticar a mim e ao Deltan mas sobre o pessoal que mandou anular tudo, sobre o Congresso que reviu as leis e sobre o Bolsonaro, que desmantelou o combate à corrupção, ninguém fala nada? Não existe nada naquelas mensagens de alguém que tenha sido condenado e era inocente, não teve fabricação de provas, não teve nada ali que justificasse a anulação das condenações. O que acontece é a velha história de que rico e poderoso nunca vai para a prisão. Desta vez usaram essas mensagens como álibi para impunidade", criticou.

Sobre sua atuação na iniciativa privada, alvo do TCU (Tribunal de Contas da União), o ex-juiz disse que nunca prestou serviços a empresas vinculadas à Lava Jato.

"Não revelo o valor do contrato por ser uma relação privada. O tribunal tem uma atuação indevida e ilegal nesse caso e vai quebrar a cara porque não tem nada de errado na minha relação privada com a consultoria que me empregou. Repito: não enriqueci nem como juiz nem como ministro."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias